Segunda-feira
19 de Abril de 2021 - 
ADVOCACIA - SUBLIME MISSÃO
SEU DIREITO VALORIZADO

ACESSO

Seu e-mail
Senha
ACESSO A PROCESSOS E CADASTROS

Previsão do tempo

Hoje - Manaus, AM

Máx
29ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Manaus, AM

Máx
31ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Quarta-feira - Manaus, AM

Máx
30ºC
Min
23ºC
Chuva

Quinta-feira - Manaus, AM

Máx
33ºC
Min
23ºC
Chuva

Hoje - Brasília, DF

Máx
26ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Brasília, DF

Máx
25ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Brasília, DF

Máx
28ºC
Min
17ºC
Nublado

Quinta-feira - Brasília, DF

Máx
29ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Campinas, SP

Máx
24ºC
Min
15ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Campinas, SP

Máx
23ºC
Min
14ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Campinas, SP

Máx
25ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Quinta-feira - Campinas, SP

Máx
25ºC
Min
12ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
22ºC
Min
16ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - São Paulo, SP

Máx
22ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - São Paulo, SP

Máx
22ºC
Min
15ºC
Nublado

Quinta-feira - São Paulo, SP

Máx
24ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Nova Iguaçu, RJ

Máx
28ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Nova Iguaçu, R...

Máx
28ºC
Min
22ºC
Chuva

Quarta-feira - Nova Iguaçu, R...

Máx
26ºC
Min
22ºC
Nublado

Quinta-feira - Nova Iguaçu, R...

Máx
27ºC
Min
22ºC
Nublado

Hoje - Queimados, RJ

Máx
28ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Queimados, RJ

Máx
29ºC
Min
19ºC
Chuva

Quarta-feira - Queimados, RJ

Máx
26ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Quinta-feira - Queimados, RJ

Máx
28ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
28ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Rio de Janeiro,...

Máx
28ºC
Min
22ºC
Chuva

Quarta-feira - Rio de Janeiro,...

Máx
26ºC
Min
22ºC
Nublado

Quinta-feira - Rio de Janeiro,...

Máx
27ºC
Min
22ºC
Nublado

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

NOTICIAS

Custo da Covid supera economia com reforma da Previdência

A pandemia da Covid-19 reduziu a arrecadação do país ao mesmo tempo em que as despesas não pararam de crescer. Um prejuízo, segundo especialistas, ainda sem previsão de recuperação. O custo fiscal gerado pela crise sanitária de 2020 supera até mesmo a economia prevista em dez anos com a reforma da Previdência, aprovada em 2019, e ultrapassa o dobro do esperado pela reforma administrativa, que deve ser votada ainda neste mês na Câmara.   Desde o ano passado, até 23 de fevereiro, o governo federal empenhou R$ 527 bilhões para combater a doença, valor dentro do montante de R$ 642,2 bilhões reservado para todas as ações de combate à proliferação do vírus. Os gastos vão desde o pagamento do auxílio emergencial, repasse para Estados e municípios até a compra de vacinas. Contando as perdas de R$ 287 bilhões na arrecadação federal de 2020, o rombo da pandemia (gastos previstos mais perdas na arrecadação) é de R$ 929 bilhões. Para efeito de comparação, a reforma da Previdência deve trazer uma economia de R$ 800 bilhões em dez anos. O Executivo aponta que só em 2020 os cofres públicos acumularam déficit de R$ 814 bilhões, diferença da arrecadação total do governo com as despesas gerais pagamento de juros e parcelas de dívidas.  O Ministério da Economia calcula que os gastos elevem ainda os juros da dívida pública, gerando despesas adicionais na ordem de R$ 261 bilhões até 2030. Do total, pouco mais de R$ 143 bilhões estão ligados ao auxílio emergencial – o Congresso estuda o retorno do benefício para este ano. De acordo com o Tesouro Nacional, essas despesas em dez anos englobam ainda juros motivados pelo auxílio federativo e decorrentes do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm).   A previsão de especialistas em relação ao efeito da pandemia na dívida pública é ainda pior. A previsão é que as despesas alcancem R$ 852 bilhões nos próximos dez anos. O valor se aproxima ao da última estimativa do Tesouro Nacional para a economia a ser gerada com a reforma da Previdência. Quando foi aprovado, o texto pretendia economizar R$ 800 bilhões em uma década. Entre outros pontos, a reforma definiu idade mínima de aposentadoria pra homens (65 anos) e mulheres (62 anos) e novas regras de acesso aos benefícios.    Para Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente do Senado Federal, apesar do rombo, sem a reforma da Previdência, a situação das contas públicas seria muito pior. Segundo ele, as mudanças das reformas, incluindo a administrativa, que pretende reduzir R$ 400 bilhões até 2034, segundo projeção do estudo do Centro de Liderança Pública, só devem ser sentidas em médio prazo.    Na reforma administrativa, o governo pretende alterar formas de contratação, desligamento e remuneração de servidores públicos. O fim da estabilidade é o ponto mais sensível da matéria. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), espera que o texto seja aprovado na Comissão de Constituição e Justiça, ainda a ser instalada, e no plenário da Casa, até o fim de março. Se aprovado, o texto seguirá para o Senado. “O desafio de atender às demandas do combate à Covid deve combinar com a manutenção da responsabilidade fiscal e o planejamento para recuperar condições de sustentabilidade da dívida em médio prazo”, avalia.     Com o impacto das ações de combate ao novo coronavírus nas contas públicas, a estimativa do Tesouro Nacional é que a dívida bruta siga crescendo nos próximos anos. A previsão da Instituição Fiscal Independente) é que a dívida bruta atingirá 100% do PIB, entre 2027 e 2028, e não alcançará as condições de sustentabilidade até 2030. Segundo o economista Luiz Carlos Day Gama, professor do Ibmec-BH, a maioria das despesas veio no aumento de gastos, mas o impacto nos cofres públicos foi resultado também de receitas abdicadas pelo Executivo.   Na pandemia, a maior parte dos descontos veio pela isenção do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), adotada desde abril para reduzir o custo dos empréstimos e ajudar a arrefecer os impactos da crise econômica. Outras receitas de que o governo abriu mão de receber, por exemplo, foram os tributos de importação de materiais médico-hospitalares e impostos sobre a produção de bens como artigos de laboratórios e farmácias.    “O ano de 2021 tende a ser melhor que 2020, mas é preciso passar por reformas e privatizações, necessárias para retomar a confiança do mercado e ter uma dívida mais pagável. A dificuldade vai ser conseguir reformas no ponto de vista de diminuir a taxação dos impostos em um momento de crise na arrecadação", pontua. 
Visitas no site:  8418661
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.